29.3 C
Manaus
sexta-feira, julho 12, 2024

Debate vice-governadores: ‘Limitação’ de Amazonino Mendes e críticas a gestões anteriores ‘esquentou’ discussão entre adversários

Embate entre os candidatos a vice-governadores do Amazonas, promovido pela TV Norte Amazonas, nesta sexta-feira, 2/9, também teve apresentação de propostas e alguns “embates” entre os adversários. Temas relacionados à importância da BR-319 e ações voltadas à defesa da Zona Franca de Manaus, também foram destacados no debate

Por

Alfinetadas, críticas a gestões anteriores, relacionadas ao Governo do Amazonas e ao Governo Federal, além de questionamento sobre a limitação do candidato ao Governo do Estado, Amazonino Mendes (Cidadania), foram alguns dos pontos que gerou “embates” entre os candidatos a vice-governador do Amazonas, durante o debate promovido pela TV Norte Amazonas, nesta sexta-feira, 2/9.

No debate, os candidatos, Cláudio Machado (PDT), o “Engenheiro Machadão”, vice na chapa de Carol Braz (PDT); a professora Cristiane Balieiro (PSB), vice na chapa de Ricardo Nicolau (Solidariedade); Anne Moura (PT), vice de Eduardo Braga (MDB); Humberto Michilles (PSDB), vice do candidato Amazonino Mendes (Cidadania), e o vice na chapa de Israel Tuyuka (Psol), Thomaz Barbosa, também trataram de temas relacionados à importância da BR-319 e ações voltadas à defesa da Zona Franca de Manaus (ZFM).

Ao tratarem de temas relacionados à pavimentação e melhorias da BR-319, “Engenheiro Machadão” fez críticas a gestão do candidato ao Governo Eduardo Braga e do ex-governador, Amazonino Mendes.

“O candidato Eduardo Braga já foi governador do Estado. O candidato Amazonino Mendes já foi governador do Estado, e não resolveram o problema da BR-319. Nem do acesso a BR-319. É a única estrada no Brasil que vai ser reconstruída. Uma estrada que foi destruída para que dificultassem a logística dentro do nosso Estado”, opinou o candidato, após a vice de Braga, Anne Moura, falar das propostas que sua chapa tem para a rodovia.

Anne Moura rebateu a fala do adversário e, além de fazer críticas ao Governo Federal, afirmou que o problema só será resolvido com uma junção de ações.

“Você, que está me assistindo, sabe que não existe milagre. A gente não pode dizer que vai fazer uma coisa sem levar em consideração os impactos que nela ocorrem. Para poder fazer estradas é preciso ter parcerias. Não é só ter vontade do próprio estado. É preciso fazer uma combinação com as prefeituras locais, com o Governo do Estado e ter vontade também do Governo Federal. Porque o que a gente tem visto não é isso. O Governo Federal não tem investido no desenvolvimento do nosso Estado. Pelo contrário, não inaugura nada quando vem aqui”, pontou Moura.

Limitação – No decorrer do debate, “Engenheiro Machadão” questionou a limitação do candidato ao Governo, Amazonino Mendes, ao dizer que ele não tem condições de governar o Estado, caso seja eleito.

“Humberto Michiles, você que se propõe a ser governador do Estado do Amazonas para o próximo mandato. Porque nós sabemos que o candidato Amazonino Mendes não tem condições de administrar o Estado. Pergunto a você, qual sua proposta de emprego e renda para o Sul do Amazonas, que você tanto fala?”, alfinetou Machadão.

A crítica, quanto à limitação de Mendes, foi defendida por seu vice antes de responder o tema envolvido na pergunta.

“Machadão. O Amazonino tem sim condições de governar o Estado. O Amazonino é um gigante. O Amazonino tem cabeça, tem inteligência, tem experiência, tem determinação e eu vou estar ao lado de Amazonino para suprir eventual deficiência. Eu não posso dizer que uma pessoa que tem 83 anos tem a mesma capacidade de mobilidade. Mas o que importa é a inteligência, a experiência daquele que já mostrou que sabe fazer”, afirmou Michiles, ao citar os feitos do ex-governador em relação a BR-319 e as propostas de sua chapa para o tema.

Zona Franca e IPI – Assunto destacado em vários momentos do debate, a defesa do modelo ZFM também gerou alguns conflitos entres os candidatos.

A professora Cristiane Balieiro, ao citar que o partido do seu candidato, o Solidariedade, foi responsável por interferir para manter a segurança jurídica da Zona Franca foi criticada pelo candidato do PDT e pediu defesa.

“Candidato, eu queria lembrar e lhe falar, que nós estamos em um debate, em que o que está em jogo é a vice-governadoria do Estado. Então é importante observar todas as palavras que são ditas aqui. Em nenhum momento eu disse que era o meu partido. Eu sou do PSB. O que eu disse é que o partido do meu candidato, o Solidariedade, que entrou com uma ação, isto é um fato”, ressaltou a candidata ao se referir as ações impetradas pelo Solidariedade após os vários decretos formalizados pelo Governo Federal para redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Ainda sobre a Zona Franca, Thomaz Barbosa, vice na chapa de Israel Tuyuka, opinou ao ser questionado sobre o tema.

“A Zona Franca tem que ser mantida, resgatada e ampliar o leque de projetos. O IPI é vantagem competitiva e a gente precisa ser tratado de forma diferente aqui na Zona Franca. Mas também é necessário que você faça outras alternativas econômicas para não depender de um produto único, se não fica sempre essa ‘lenga-lenga’ em época de eleição”, opinou.

O candidato aproveitou para reforçar a importância de manter sempre o diálogo com o Governo Federal. “Não existe nenhuma forma de defender a Zona Franca sem dialogar com o Governo Federal. É um projeto federal”, concluiu Barbosa.

Ausências – O candidato a vice do governador Wilson Lima (União Brasil), Tadeu de Souza (Avante), e o vice do candidato Henrique Oliveira (Podemos), Edward Malta (Pros), não compareceram ao debate. A vice de Nair Blair (Agir), Rita Nobre (Agir), devido regras e normas eleitorais não participou do debate.

— —

Por Izabel Guedes

Foto: Reprodução TV Norte Amazonas / Ilustração: Marcus Reis

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -