26.3 C
Manaus
terça-feira, julho 16, 2024

CPI da energia volta a ser pauta na CMM, mas segue sem data para instalação

O requerimento foi protocolado em fevereiro deste ano e visa investigar a concessionária Amazonas Energia. Passados dois meses, vereadores não têm conhecimento sobre os impedimentos ao pedido

Por

Dois meses após darem entrada ao pedido de instalação da CPI da energia para apurar possíveis falhas no fornecimento de energia elétrica e suspensão do serviço durante a pandemia, os vereadores Jaildo Oliveira (PCdoB), Glória Carratte (PL) e Rodrigo Guedes (PSC) voltaram a falar sobre o requerimento na Câmara Municipal de Manaus (CMM) nesta segunda-feira, 26/4. Protocolado em fevereiro, o pedido de CPI segue sem data para instalação.

A CPI da Amazonas Energia tem como objetivo apurar práticas abusivas cometidas pela empresa, como cortes indevidos do fornecimento de energia elétrica durante a pandemia na cidade de Manaus, bem como o descumprimento criminoso de decisões judiciais.

Conforme o autor do pedido de instalação da CPI, vereador Rodrigo Guedes não há motivos legais para que a comissão ainda não tenha sido instalada na casa. “Não há nenhuma dúvida jurídica de que temos competência para promover este inquérito. Inquérito, investigação significa justamente isso. A gente utilizar dos instrumentos próprios do parlamento e da CPI, que são instrumentos que só a CPI tem, para fazer o encaminhamento”, defendeu Guedes.

A vereadora Glória Carratte criticou os cortes no fornecimento de energia elétrica durante a pandemia. “A conta de energia da minha casa venceu e em menos de 15 dias a empresa mandou a cobrança e o aviso de corte. Senhores, a pandemia está aí. Nós temos uma regra que não pode cortar energia enquanto houver pandemia e eles estão cortando energia em bairro da periferia, na comunidade sem ter respeito nenhum com as pessoas de baixa renda. É um dever nosso defender os interesses das pessoas que não têm voz”, criticou a vereadora.

Os vereadores que aderiram à CPI e assinaram o requerimento, na época, foram: Amom Mandel (Podemos); Antônio Peixoto (PTC); Caio André (PSC); Sassá da Construção Civil (PT); Daniel Vasconcelos (PSC); Dione Carvallho (Patriota); Elan Alencar (PROS); François Mato (PV); Ivo Neto (Patriota); Jaildo Oliveira (PCdoB); João Carlos (Republicanos); Lissandro Breval (Avante); Eduardo Assis (Avante); Raiff Matos (DC); Sandro Maia (DEM); Thaysa Lippy (PP); William Alemão (Cidadania); e o autor do documento vereador Rodrigo Guedes.
— —
Por Juliana Freire

Foto: Divulgação

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -