28.3 C
Manaus
domingo, junho 23, 2024

Ucrânia sofre ataques aéreos em escala massiva; Tensões entre EUA, Otan e Rússia

A ofensiva teve início após a autorização dos Estados Unidos e dos aliados da Otan para o uso de suas armas contra alvos em território russo

Por

A Ucrânia sofreu intensos ataques aéreos em diversas regiões na noite de sexta-feira (31) e na madrugada de sábado (1º). O ataque massivo foi realizado pelas forças de Vladimir Putin, logo após os Estados Unidos e os aliados ocidentais da Otan autorizarem o uso de suas armas pela Ucrânia contra alvos em território russo. Esses eventos ocorreram no contexto da invasão russa que começou em 2022.

A ofensiva teve início após a autorização dos Estados Unidos e dos aliados da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para o uso de suas armas contra alvos em território russo. De acordo com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, um grande ataque foi lançado, atingindo intensamente o sul, centro e oeste do país, além da capital, Kiev. Autoridades ucranianas relataram que aproximadamente 53 mísseis e 47 drones foram abatidos.

Zelensky afirmou que a maior parte dos equipamentos foi neutralizada, mas a infraestrutura energética da Ucrânia sofreu novos danos. Dois terminais termoelétricos foram atingidos, resultando em pelo menos quatro feridos. Além disso, cinco regiões do país ficaram sem energia elétrica.o presidente ucraniano

O presidente ucraniano disse que “o principal objetivo da Rússia é normalizar o terror, aproveitar a falta de equipamento de defesa aérea suficiente e a determinação dos parceiros da Ucrânia.” As tensões aumentaram significativamente depois que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, anunciou na quinta-feira (31) que o presidente Joe Biden autorizou o uso de armas norte-americanas contra um alvo localizado dentro da Rússia, próximo à fronteira com Kharkiv.

Ao longo do dia, a Otan e países aliados tomaram medidas semelhantes, permitindo o uso limitado de suas armas contra determinadas áreas do território russo. Após uma reunião com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia na sexta-feira (31 de maio) em Praga, República Tcheca, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, expressou confiança de que as forças ucranianas utilizarão as armas.

Em resposta, o Kremlin lançou bombardeios. Dmitry Medvedev, ex-presidente da Rússia, declarou que o uso de armas ocidentais pela Ucrânia será visto como envolvimento direto dos aliados. “Isto não é apenas assistência militar, é participação na guerra contra nós. Tais ações podem ser consideradas um casus belli [motivo para guerra]”, afirmou Medvedev, alertando que é um “erro fatal” presumir que a Rússia não recorrerá às suas armas nucleares.

O presidente Vladimir Putin fez um novo apelo por mais assistência em uma publicação no Telegram neste sábado (1º). “Nossos parceiros estão cientes do que é necessário. Precisamos de mais baterias antiaéreas Patriot, além de outros sistemas de defesa aérea modernos. É crucial acelerar e ampliar a entrega de F-16 para a Ucrânia. Devemos garantir que nossos soldados tenham todas as capacidades necessárias”, declarou.

Ilustração/Foto: Marcus Reis/”Vladimir Putin – World Economic Forum Annual Meeting Davos 2009″ by World Economic Forum is licensed under CC BY-NC-SA 2.0./”Anti-terrorist operation in eastern Ukraine (War Ukraine)” by Ministry of Defense of Ukraine is licensed under CC BY-SA 2.0./”Responsibility for war crimes of the Russian military is inevitable – address by the President of Ukraine.” by President Of Ukraine is marked with Public Domain Mark 1.0.

Leia mais: Após Milei alegar que não faria negócio com Lula, Argentina recorre ao Brasil para conter escassez de gás natural

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -