25.3 C
Manaus
terça-feira, maio 28, 2024

A Crise Sanitária dos Yanomami: Uma tragédia recorrente e anunciada

'Quando comparamos a tragédia da década de 80 com a atual, concluímos que a ação de abandono e extermínio desse povo é recorrente e conta com o apoio e a omissão de boa parte da sociedade', pontuou a pesquisadora

Por

A situação de violação dos direitos sociais indígenas no Brasil e de forma mais grave a situação dos yanomami revela, para além dos desmandos do governo federal, uma atitude omissa e preconceituosa da sociedade em relação a esses povos. Os Yanomami que ocupam uma extensa área territorial nos estados do Amazonas e Roraima, rica em minérios e madeira nobre, sofrem historicamente com violações de direitos, sobretudo, pela cobiça de garimpeiros, madeireiros e agropecuaristas, com graves impactos socioambientais e reflexos imediatos na situação de saúde.

No final da década de 1980, os yanomami viveram uma grave situação sanitária, similar à que está ocorrendo agora, que dizimou 14% da população, com repercussão internacional, também resultado da invasão de garimpeiros. A época o governo federal adotou medidas para expulsão dos garimpeiros e atendimento emergencial a saúde dos indígenas, criando em 1991 o Distrito Sanitário Indígena Yanomami (DSY), para prestar serviços de atenção básica a saúde nas aldeias, melhorando acentuadamente a situação de saúde desse povo. No ano de 1992 as terras indígenas dos yanomami foram demarcadas. O fantasma do extermínio parecia afugentado. No entanto, nos últimos quatro anos ocorreu uma nova invasão de mais de 20.000 mil garimpeiros na região, sem impedimentos do poder público, o que culminou com uma nova tragédia sanitária, denunciada pelas organizações e instituições que atuam em defesa dos Yanomami.

Quando comparamos a tragédia da década de 80 com a atual, concluímos que a ação de abandono e extermínio desse povo é recorrente e conta com o apoio e a omissão de boa parte da sociedade. Vale ressaltar que a tragédia dos yanomami se replica em outros territórios indígenas que também sofrem com a invasão de garimpeiros, madeireiros, com a fome, desnutrição e outras doenças que levam a morte da população. A exemplo das crises sanitárias do Vale do Javari, mundialmente conhecido por Vale da Morte e a situação dos Munduruku, no Pará, também vítimas da atividade de garimpo que contamina o rio tapajós, causando danos graves a saúde e a sobrevivência desse povo.

A proteção dos Yanomami precisa ser garantida de forma definitiva, através do cumprimento da lei e de políticas públicas efetivas. A fiscalização do território indígena tem que ser uma ação de estado, continuada e estruturada, com apoio das forças armadas, para impedir a entrada de intrusos de qualquer natureza. É imprescindível também investigar e punir aqueles setores econômicos que financiam as atividades ilícitas nos territórios indígenas. Para reverter esse processo histórico de violação dos direitos indígenas deve-se combater com veemência as ideias preconceituosas e racistas sobre esses povos; combater o desmatamento, a pesca e o garimpo ilegal; incentivar na região a economia que paga impostos, gera empregos e oportunidades no Brasil e punir severamente o crime, resultante das atividades ilegais, que não emitem nota fiscal, nem contribui com o poder público e assim reverter o processo histórico de discriminação e abandono da população indígena no Brasil.

Por Dra. Kátia Maria Lima de Menezes – Pesquisadora da Fiocruz-AM e Especialista em Saúde Indígena. Desenvolveu o curso de capacitação de conselheiros indígenas de saúde e participou do Debate Político falando de ações públicas para os Povos Originários

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -