25.3 C
Manaus
terça-feira, maio 28, 2024

Beto Simonetti tem apoio de 25 estados e do DF para presidir a OAB Nacional

A chapa do amazonense foi a única a formalizar o registro para concorrer à eleição, que ocorrerá em 31 de janeiro, no plenário da instituição, em Brasília. Votam os 81 conselheiros federais da OAB (3 de cada Estado e do Distrito Federal)

Por

A chapa do advogado amazonense José Alberto Simonetti é a única a registrar candidatura para presidência nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). De acordo com a revista ‘Veja’, Simonetti foi o único a registrar candidatura para vaga, por tanto, terá apoio de 25 Estados e do Distrito Federal.

A eleição ocorrerá em 31 de janeiro, no plenário da instituição, em Brasília. Votam os 81 conselheiros federais da OAB (3 de cada Estado e do Distrito Federal).

Com o nome da chapa “OAB de Portas Abertas”, a composição de consenso é composta por Simonetti e pelos seguintes advogados:

• Rafael de Assis Horn, ex-presidente e conselheiro federal eleito pela OAB de Santa Catarina, é o candidato a vice-presidente;

• Sayury Silva de Otoni, eleita conselheira federal pelo Espírito Santo, concorre a secretária-geral;

• Milena da Gama Fernandes Canto, eleita conselheira federal pelo Rio Grande do Norte, é candidata a secretária-geral-adjunta;

• Leonardo Pio da Silva Campos, ex-presidente e conselheiro federal eleito pela OAB do Mato Grosso, é candidato a diretor-tesoureiro.

O principal requisito para qualquer advogada ou advogado do país disputar a eleição nacional da OAB é ter o apoio de, pelo menos, seis seccionais estaduais. O registro foi efetivado com o apoio de vinte e seis seccionais da OAB, ficando isolado o Estado da Bahia.

“O momento é de unidade, de diálogo e de construção de pautas que unam a advocacia. Chegar a 26 apoios é resultado de muito trabalho e do valor que demos ao diálogo e à transparência nesse processo, ouvindo advogadas e advogados de todo o país para construir a candidatura com objetivo de unir a classe”, afirmou Simonetti à coluna.

Uma das bandeiras do candidato é fazer uma gestão “independente, inclusiva e participativa”. “A OAB tem que manter diálogo com os três Poderes, com todas as instituições e com a sociedade. Faremos uma gestão independente, inclusiva e participativa, voltada para a advocacia. Nossa principal missão será a valorização do advogado, como instrumento fundamental ao estado democrático de direito e ao devido processo legal”, diz Simonetti.

Ser conselheiro federal eleito não é quesito obrigatório para disputar a presidência nacional. Mas Simonetti disputou e venceu a eleição em seu Estado natal, o Amazonas. Segundo ele, a eleição no Estado de origem dá mais legitimidade para a candidatura. Os candidatos a diretores nacionais, por outro lado, precisam obrigatoriamente terem sido eleitos conselheiros federais em seus Estados.

Com informações da revista ‘Veja’

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -