26.3 C
Manaus
quinta-feira, fevereiro 29, 2024

‘Abin paralela’: Lula nega perseguição contra família Bolsonaro, investigada pela PF

O petista refutou qualquer alegação de perseguição, como foi afirmado pelo político do PL. "Ele proferiu uma grande inverdade; o governo brasileiro não tem controle sobre a Polícia Federal, muito menos sobre o Judiciário

Por

Com os desdobramentos da ‘Operação Vigilância Aproximada’, que atingiu a família Bolsonaro (PL), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) respondeu às críticas do ex-presidente em relação à ação da Polícia Federal (29) deflagrada nesta segunda-feira (29), na qual o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do ex-chefe do Executivo federal, foi alvo.

O petista refutou qualquer alegação de perseguição, como foi afirmado pelo político do PL. “Ele proferiu uma grande inverdade; o governo brasileiro não tem controle sobre a Polícia Federal, muito menos sobre o Judiciário. Há um processo, uma investigação e uma decisão de um ministro do Supremo Tribunal Federal que ordenou busca e apreensão, suspeitando da má-fé envolvendo a Abin, cujo delegado responsável tinha ligações com a família Bolsonaro”, declarou Lula na terça-feira (30).

Ainda na segunda, antes de baterem na residência para cumprir um mandado de busca e apreensão relacionado a uma investigação sobre um esquema de espionagem ilegal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), a equipe da PF constatou que a família Bolsonaro estava presente no local.

E após a operação, Bolsonaro criticou o ministro Alexandre de Moraes, do STF, em entrevista à CNN e disse ainda estar sendo “perseguido pelo governo do Lula”.

Durante uma entrevista à CNN, Bolsonaro expressou críticas ao ministro Alexandre de Moraes, do Superior Tribunal Federal (STF), após a operação policial. O ex-presidente também alegou estar sendo “perseguido pelo governo de Lula”.

No entanto, Lula não ficou por trás e rebateu Bolsonaro durante questionamento de radialista da CBN de Recife. O atual Chefe de Estado afirmou não considerar um “problema anormal, é uma decisão judicial” e ressaltou a importância da presunção da inocência, “que eu não tive”.

“Sempre tive respeito e acho que a PF não pode exorbitar em fazer pirotecnia. Quer investigar, investiga, mas não faça show pirotécnico, não divulgue o nome antes de ter prova concreta”, concluiu ainda Lula.

Leia mais: Cálculo do prejuízo: MP investiga impacto financeiro causado pela ‘Abin paralela’

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -