30.3 C
Manaus
domingo, junho 16, 2024

Avanço na mesa de negociação entre governo e professores chega a possível reajuste de 14%

O Sinteam luta por um reajuste salarial de 25%, que corresponde à correção da data-base de 2020, 2021, 2022 e 2023, vale alimentação e auxílio localidade

Por

O Governo do Amazonas aumentou de 8% para 14% a oferta de reajuste salarial a trabalhadores da Seduc (Secretaria de Educação do Amazonas), informou Ana Cristina Rodrigues, presidente do Sinteam (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas). A proposta será analisada em assembleia da categoria nesta terça-feira (30), às 10h, no Clube Municipal.

O Sinteam luta por um reajuste salarial de 25%, que corresponde à correção da data-base de 2020, 2021, 2022 e 2023, vale alimentação e auxílio localidade. No dia 18 deste mês, em reunião na Assembleia Legislativa do estado, o Governo do Amazonas apresentou contraproposta de reajuste de 8% aos servidores da Educação, mas o Sinteam rejeitou.

O pagamento proposto pelo governo será escalonado. Inicialmente, o governo propõe pagar 8%. Os outros 6% será somente em julho de 2024. Também oferece progressões verticais imediatas; progressões horizontais; devolução dos valores descontados no contracheque o mais rápido possível, condicionada à reposição das aulas dos dias parados; um possível reajuste no vale-alimentação, e revisão do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração

O Sinteam foi à Justiça, na manhã desta segunda-feira (29), para proibir que o Governo do Amazonas continue a descontar os dias parados do salário dos servidores que aderiram à greve da categoria, iniciada no dia 17 deste mês. O sindicato afirma que professores em greve chegaram a ter descontos de R$ 2,8 mil, conforme contracheques deste mês.
Mesmo com o desconto na folha de pagamento, o Sinteam manteve a paralisação, conforme anunciou a presidente do sindicato, Ana Cristina Rodrigues, nesta segunda-feira. “Somente a categoria é que diz se aceita ou não. A greve continua até que a mesa final seja discutida e a categoria aprove a contraproposta”, afirmou a professora.

A greve

A greve dos profissionais da educação da rede estadual começou no dia 17 deste mês. A greve é liderada pelo Sinteam. De acordo com a entidade, a data-base 2023 dos trabalhadores da rede estadual venceu no dia 1º de março. A instituição afirma, ainda, que a data-base de 2022 também está atrasada.

Integram o movimento grevista merendeiros, servidores administrativos, vigias, profissionais de serviços gerais, professores e pedagogos. Os profissionais reivindicam 25% de reajuste salarial, oSinteam também pede reajuste nos valores do vale-alimentação e auxílio-localidade; revisão do Plano de Cargos Carreira e Remuneração; e manutenção do plano de saúde e extensão para os aposentados.

Desde o início da greve, os representantes do sindicato e do Governo do Amazonas se reuniram duas vezes. Sem acordo com o Estado, que ofereceu 8% de reajuste, os profissionais da educação decidiram manter a paralisação.
O balanço mais recente do Sinteam aponta que 70% das escolas estaduais estão sem aulas.

De acordo com a professora Ana Cristina, a mesa de negociação foi reaberta e governo apresntou:

  • Percentual de 14%, sendo 8% imediato e 6% em julho de 2024;
  • Retirada das faltas e reembolso do dinheiro descontado;
  • Pagamento imediato das progressões horizontais;
  • Instalação da Comissão de Revisão do PCCR.

__

Da Redação

Foto: Divulgação

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -