25.3 C
Manaus
quarta-feira, maio 29, 2024

TSE encerra coleta de provas que pode tornar Bolsonaro inelegível

Segundo o despacho, em três meses, “foram realizadas cinco audiências e requisitados todos os documentos, inclusive procedimentos sigilosos, relacionados aos fatos relevantes para deslinde do feito”

Por

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Benedito Gonçalves, encerrou, nessa sexta-feira, 31/3, a fase de instrução probatória da ação contra o ex-presidente Jair Messias Bolsonaro (PL), referente a uma reunião com embaixadores antes das eleições de 2022, na ocasião, o ex-presidente colocou em dúvida, sem apresentar provas, a lisura do sistema eleitoral.

Walter Braga Netto, o vice em sua candidatura à Presidência, também é alvo da ação, impetrada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT). Ambos são acusados de prática de abuso de poder político e de uso indevido dos meios de comunicação.

A etapa concluída tem como objetivo coletar provas relacionadas às acusações. O ministro entendeu que o “rico acervo probatório” reunido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cumpriu a finalidade da fase de instrução.

Segundo o despacho, em três meses, “foram realizadas cinco audiências e requisitados todos os documentos, inclusive procedimentos sigilosos, relacionados aos fatos relevantes para deslinde do feito”. A minuta encontrada na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, preso e investigado por conta dos atos criminosos de 8 de janeiro, foi um dos documentos incluídos na ação.

Agora, a defesa de Bolsonaro e o PDT — que apresentou a ação em questão no TSE — têm dois dias para se manifestar. Depois, o Ministério Público Eleitoral terá mais dois dias para fazer as considerações.

Após as manifestações, a ação vai para a análise no plenário do TSE. Ou seja, o julgamento pode acontecer ainda em abril deste ano. A decisão do ministro Benedito Gonçalves ocorre um dia após o retorno de Bolsonaro ao Brasil, após três meses nos Estados Unidos.

Caso das joias

Além da ação no TSE, o ex-presidente ainda deve lidar com a investigação da Polícia Federal (PF) e do Tribunal de Contas da União (TCU) em relação às joias presenteadas pelo governo da Arábia Saudita. Na quarta-feira, 5/4, Bolsonaro deve prestar depoimento à PF sobre o caso.

Leia mais: Contas do Governo Lula têm déficit de R$ 41 bilhões em apenas 2 meses de mandato

 

Da Redação com informações da CNN

Foto: Warley Andrade / TV Brasil

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -