31.3 C
Manaus
sexta-feira, julho 12, 2024

Cidades com terras demarcadas tem aumento de candidaturas indígenas

O estado do Amazonas é o que registrou a maior quantidade de candidatos autodeclarados indígenas em 2020, com 467 concorrentes somados nas diferentes disputas (prefeito, vice-prefeito e vereador)

Por

O número de candidatas e candidatos autodeclarados indígenas cresceu nas últimas eleições municipais, com aumento concentrado em cidades que têm parte do seu território dentro de terras indígenas. Entre os pleitos de 2016 e 2020, a proporção de candidaturas desse público com relação ao total de concorrentes aumentou de 1,88% para 2,26% em cidades com demarcação. Fora dessas localidades, diminuiu de 0,11%, em 2016, para 0,10%, no último pleito.

Segundo dados do Portal de Dados Abertos do Tribunal Superior Eleitoral (PDA-TSE), somente um dos oito prefeitos autodeclarados indígenas foi eleito em município fora da área de proteção para povos originários. Especialistas apontam para uma maior conscientização da população quanto à autodeclaração de raça e cor. A opção está disponível para registro de candidaturas na Justiça Eleitoral desde 2014.

Antes da Resolução TSE nº 23.609/2019, a declaração de cor ou raça no registro de candidatas e candidatos era opcional. A partir dessa norma, foi estabelecido um modelo ­­de requerimento que inclui a possibilidade de informar a cor ou raça de forma mais sistemática e padronizada.

 

Desde então, concorrentes aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador atualizaram seus dados para as eleições municipais. Foram 176 candidatos em 2020 que mudaram sua autodeclaração para indígena, sendo 95 em cidades com demarcação e 81 fora dessas localidades, segundo dados do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).

Autoafirmação étnica

O antropólogo da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) Artur Nobre Mendes ressalta um aumento surpreendente na população autodeclarada indígena fora das terras demarcadas. Segundo ele, o Censo de 2022 revelou um crescimento expressivo, atribuído tanto a uma maior autoafirmação étnica quanto a mudanças na metodologia de coleta de dados pelo IBGE. “Há um processo cultural e social de reafirmação da identidade indígena. Isso vem desde a Constituição de 1988 e segue crescendo”, destaca.

Artur explica que essa tendência não se restringe apenas às regiões tradicionalmente associadas a povos indígenas, como a Amazônia, mas se expande para outros estados. “Estamos trabalhando com o IBGE a relação das etnias. Percebemos o surgimento de vários povos que não estavam presentes no Censo de 2010 e que, durante essa década, passaram a se reconhecer como tal. Geralmente, eram povos que estavam apagados historicamente”, observa o antropólogo, que coordena o acordo de colaboração entre a Funai e o IBGE quanto à coleta e à análise do Censo de 2022.

 

O estado do Amazonas é o que registrou a maior quantidade de candidatos autodeclarados indígenas em 2020, com 467 concorrentes somados nas diferentes disputas (prefeito, vice-prefeito e vereador). Mato Grosso do Sul está em segundo lugar, com 202 candidatos indígenas para os mesmos cargos.

Eleitorado

A Resolução TSE nº 23.659/2021, que trata do cadastro eleitoral, trouxe novidades para o último pleito geral, em 2022. Além dos dados pessoais, eleitoras e eleitores passaram a contar com novos campos de identificação, entre eles a etnia indígena e a língua falada. A página de estatísticas eleitorais já disponibiliza esses dados biográficos.

Mais representatividade = mais democracia

Todos os anos, a Justiça Eleitoral realiza ações com os povos indígenas que reforçam o direito de votar e de ser votado. Em 2023, a Comissão de Promoção da Participação Indígena no Processo Eleitoral, criada no ano anterior por meio da Portaria TSE nº 367, conduziu diversos eventos que reafirmaram o direito ao exercício da cidadania pelos povos originários. O grupo é liderado por uma indígena, Samara Pataxó, assessora-chefe de Inclusão e Diversidade do TSE. Um desses eventos foi o ciclo de debates “Abril Indígena da Justiça Eleitoral”.

 

 

 

 

 

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral – TSE

Ilustração: Marcus Reis

Leia mais: Cotas para mulheres na política não são suficientes para garantir igualdade de gênero, afirmam parlamentares

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -