29.3 C
Manaus
sábado, junho 22, 2024

Operação investiga indícios de contratações irregulares no Hospital 28 de Agosto

Foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão na manhã desta terça-feira (26)

Por

A segunda fase ostensiva da Operação “Jogada Ensaiada” cumpriu dez mandados de busca e apreensão domiciliar, pessoal e veicular, nesta terça-feira (26). A Justiça determinou, ainda, o sequestro e a indisponibilidade de bens dos envolvidos até o limite de R$ 1,8 milhão. A operação investiga supostos indícios de corrupção no Hospital 28 de Agosto, em Manaus.

A operação é coordenada pelo Ministério Público do Amazonas (MPAM), por intermédio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/AM) e da 70ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa e Proteção do Patrimônio Público.

Trata-se do desdobramento de uma investigação criminal que visa apurar a associação entre agentes públicos e particulares para prática dos crimes de contratação direta ilegal (artigo 337-E do Código Penal) relacionados à prestação de serviços, sem cobertura contratual, no âmbito do Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto.

A partir das diligências investigatórias, foram colhidos elementos de provas que revelaram a potencial associação criminosa entre agentes públicos e atores privados para a prática dos crimes de contratação direta ilegal e de lavagem de dinheiro.

A demonstração da comunhão de vontades e das interações dos referidos agentes, no desempenho de suas funções públicas e atividades privadas, objeto da apuração criminal, será indispensável para a configuração da prática das condutas delituosas acima descritas, confirmando indícios de favorecimento em processos de contratação de prestadores de serviço no âmbito do Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto.

A partir da análise dos materiais apreendidos no contexto da segunda fase ostensiva da Operação “Jogada Ensaiada”, o GAECO/AM pretende individualizar a conduta de cada um dos envolvidos e submeter o caso à apreciação do Poder Judiciário, a fim de que os envolvidos possam responder pelos atos praticados, com a respectiva devolução das verbas públicas indevidamente auferidas.

O Convergente entrou em contato com a direção do Hospital 28 de Agosto, através de endereço eletrônico. Até o fechamento desta matéria, não houve retorno. O espaço segue aberto para esclarecimentos.

*Com informações da assessoria

Leia mais: MPAM vai fiscalizar oferta de Atendimento Educacional Especializado em Tapauá

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -