25.3 C
Manaus
sexta-feira, julho 12, 2024

“É imperativo que trabalhemos juntos para desenvolver estratégias sustentáveis de governança e preservação”, destaca Yara Lins, no seminário ‘Igarapés de Manaus: Desafios e Preservação, no TCE-AM

O TCE e o MPC, que controlam os gastos públicos, unem esforços para realizar ações concretas e projetos para efetivamente melhorar a qualidade de vida e a preservação do meio ambiente da população como um todo

Por

Dia 22 de março é o Dia Mundial da Água, uma data estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) por meio da resolução A/RES/47/193, de 21 de fevereiro de 1993. Pensando na preservação do meio ambiente e dos recursos hídricos, o Tribunal de Contas do Estado do Amazonas realizou nesta quarta-feira (20) o seminário ‘Igarapés de Manaus: Desafios e Preservação’.

Em parceria com o Ministério Público de Contas (MPC-AM), a Corte de Contas promoveu palestras e debates sobre um tema de extrema importância para a sociedade amazonense. A abertura do evento foi marcada pelo discurso da presidente do TCE-AM, Yara Lins, sobre o cuidado e a conscientização dos igarapés de Manaus.

“É imperativo que trabalhemos juntos para desenvolver estratégias sustentáveis de governança e preservação, garantindo que as gerações futuras possam desfrutar dos benefícios desses recursos preciosos”, disse Yara Lins, presidente do TCE-AM.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por O Convergente (@o.convergente)

A conselheira da corte destacou ainda dois principais igarapés que, anteriormente, eram bem frequentados por famílias manauaras.

“Há pouco menos de 50 anos, o verde de Manaus ainda era cortado pelos fios de prata de seus igarapés translúcidos e cheios de vida. As famílias costumavam passar suas horas de lazer em balneários encantadores, como o do Parque Dez e o da Ponte da Bolívia”, lembrou Yara Lins, que atualmente, somente o da Ponte da Bolívia sobrevive sob degradação, o que é uma lamentável situação para uma cidade no coração da Floresta Amazônica.

O meio ambiente ecologicamente equilibrado é um valor constitucional estabelecido para as presentes e futuras gerações, o que demanda compromisso com a governança e a sustentabilidade, promovendo o desenvolvimento da Amazônia de forma gradual, juntamente com a preservação ambiental.

Percebendo a situação da poluição e escassez de água no mundo, a Organização das Nações Unidas (ONU), em 1992, instituiu o dia 22 de março como o Dia Mundial da Água, para que organizações em todo o planeta promovam ações para a preservação dos recursos hídricos do planeta.”

Para a Procuradora Geral do Ministério Público de Contas (MPC-AM), Fernanda Cantanhede, a gestão integrada e coordenada para enfrentar os desafios climáticos na preservação dos recursos hídricos é uma luta de todos para o futuro.

“Sabemos que é difícil exigir de um morador ribeirinho que não jogue lixo no rio, e na área em que reside, inexiste uma coleta tratada”, frisou Fernanda Cantanhede.

O TCE e o MPC, que controlam os gastos públicos, unem esforços para realizar ações concretas e projetos para efetivamente melhorar a qualidade de vida e a preservação do meio ambiente da população como um todo.

Manaus tem 1600 áreas críticas sujeitas a desastres. Segundo o procurador e coordenadoria de Meio Ambiente do MPC-AM, Ruy Marcelo Alencar, os igarapés são patrimônios federais pertencentes da União, e constituem bens ambientais e ecossistemas fundamentais para garantir a qualidade de vida da população.

“Nós estamos aqui para fazer o papel de indutores, chamando todos os atores interessados para conversar, interagir, ouvir e colher informações e dar a devida contribuição para melhorar essa política pública”, reforçou Alencar.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por O Convergente (@o.convergente)

“o evento, que contou com a participação de órgãos ambientais, a concessionária de água da capital não ficou de fora. Diego Dal Magro, diretor-presidente da Água de Manaus, discutiu sobre a importância da manutenção do saneamento da área urbana da cidade. ‘Hoje existe sistema de água em becos e palafitas, ribeirinhos. […] Nós estamos falando não só de meio ambiente, mas também de saúde pública”, debateu.

Membros da sociedade civil, organizações e instituições como o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM), a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), além das Secretarias de Estado (Sema) e Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), participaram do seminário.

Os participantes também conheceram a realidade urbana de Manaus, em uma exposição interativa e itinerante que reproduz as casas e a estrutura de água e esgoto do Beco do Nonato, localizado no bairro Cachoeirinha, zona sul de Manaus.

Foto: Reprodução/YouTube/TCE Amazonas

Leia mais: Manaus ocupa a 83° posição em ranking de indicadores sobre saneamento em municípios do Brasil

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -