26.3 C
Manaus
quarta-feira, abril 24, 2024

Após críticas sobre a BR-319, Marina Silva retorna a Manaus e fala sobre crise ambiental enfrentada no AM

A ministra retornou ao Amazonas após receber diversas críticas dos políticos do Estado sobre a atuação à frente do Ministério do Meio Ambiente

Por

Depois de ser criticada por políticos do Amazonas que cobram a retomada de obras na BR-319, a Ministra do Meio Ambiente Marina Silva retornou a Manaus para participar do TEDxAmazônia, nesta sexta-feira (3). Durante a participação no evento, ela falou sobre a crise ambiental enfrentada no Brasil e ainda comentou sobre o atual cenário vivido em Manaus.

A ministra do governo Lula ainda afirmou que os problemas ambientais no país, principalmente na Amazônia, são decorrentes do agravamento do aquecimento global na Terra.

“Nós precisamos entender que o que está acontecendo com a mudança do clima é uma guerra, que, às vezes, parece imperceptível. É como se estivéssemos lançando nano mísseis o tempo todo na atmosfera, que estão mudando as regularidades cósmicas”, disse em participação no evento.

Em relação aos problemas enfrentados no Amazonas, a ministra cobrou o Congresso Nacional sobre o projeto da lei de manejo do fogo. O apelo de Marina Silva ocorre em um momento em que Manaus amanheceu, mais uma vez, sob a forte fumaça oriunda de queimadas ilegais.

“Só vamos solucionar o problema se enfrentarmos a questão do desmatamento e do uso descontrolado do fogo. Se continuar assim, não dá para enfrentar estruturalmente o problema. Inclusive, faço um apelo a todos os parlamentares que aprovem, no Congresso, o projeto da lei de manejo do fogo. Ajudaria muito a estruturar melhor os Estados e os municípios para evitar que se chegue a uma situação como essa”, disse.

Ainda segundo a ministra, Manaus poderia estar passando por uma situação pior, caso o governo Lula não tivesse reduzido o desmatamento nos primeiros meses de governo. “Se não tivéssemos conseguido reduzir o desmatamento aqui no Estado [Amazonas] em 64%, teríamos uma situação completamente apocalíptica. O que precisa fazer, e é o que já estamos fazendo, é um plano de prevenção e controle do desmatamento”, pontuou durante o evento.

Críticas

No início de outubro, a ministra esteve no Amazonas, junto à comitiva do governo federal, para acompanhar de perto os danos causados pela severa estiagem que afetou todos os municípios do Estado.

Na ocasião, Marina Silva foi encurralada pelo deputado estadual Sinésio Campos, que questionou sobre as obras na BR-319. Os demais deputados não deixaram o colega parlamentar de lado e o acompanharam na cobrança. Com isso, a Assembleia Legislativa do Amazonas aprovou uma moção de repúdio contra a ministra de Lula.

“É inadmissível que a ministra Marina não se sensibilize com essa causa. O Amazonas é um estado grande, o maior do Brasil, e não pode mais ficar isolado do restante do país. Sofremos com isso durante a pandemia e estamos vendo agora de novo, durante a estiagem. Nossa logística é complicada, demorada e se tivéssemos a BR-319, poderíamos amenizar esses problemas. Defendo a retomada da 319 desde 2019, quando presidi a Comissão de Transportes desta Casa. O Amazonas precisa, urgentemente, que a 319 se torne trafegável”, afirmou o presidente da Aleam, o deputado Roberto Cidade.

A ministra também foi alvo de críticas da bancada federal do Amazonas. O deputado federal Alberto Neto, por exemplo, afirmou que a ministra era inimiga do povo amazonense. “Hoje o nosso povo padece, ministra Marina, padeceu na pandemia, vocês viram as imagens, os horrores dos caminhões tentando chegar na cidade de Manaus e muitos morreram por causa disso. Muitos morreram por causa dessa política ambiental, desmedida, xiita que tem isolado o povo do Amazonas”, disparou.

Outro parlamentar que teceu críticas à ministra foi o senador Omar Aziz (PSD). Apesar de ser aliado do governo Lula, o parlamentar disparou que a “culpa” cairia sob a responsabilidade de Marina Silva, caso os amazonenses passassem fome no período de estiagem. “Pois eu declaro que, se algum amazonense passar fome, a culpada é a senhora ministra Marina Silva, que, por vaidade, não permite a recuperação da BR-319 e sentencia o Amazonas ao isolamento”, escreveu nas redes sociais.

Leia mais: Aleam e Assembleia de Roraima vão discutir BR-319 em audiência pública, anuncia Roberto Cidade

___

Por Camila Duarte

Revisão textual: Vanessa Santos

📲 Receba no seu WhatsApp notícias sobre a política no Amazonas.

Fique ligado em nossas redes

spot_img

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -