27.3 C
Manaus
quarta-feira, maio 22, 2024

Hacker da Lava Jato é condenado por calúnia contra Procurador da República

Em 2019, Walter Delgatti atribuiu, sem provas, a prática de corrupção passiva ao procurador Januário Paludo, então integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato

Por

Alvo de denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o hacker Walter Delgatti Neto foi condenado a 1 ano, 1 mês e 10 dias de prisão pelo crime de calúnia. Em entrevista à revista Veja, publicada em 13 de dezembro de 2019, Delgatti atribuiu, sem provas, a prática de corrupção passiva ao procurador da República Januário Paludo, então integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba (PR). A sentença da 1ª Vara Federal de Araraquara (SP) estabeleceu o regime semiaberto para o início do cumprimento da pena. O hacker pode recorrer da decisão.

Delgatti notabilizou-se pela interceptação de mensagens trocadas por autoridades via aplicativo Telegram. Na entrevista à Veja, ele afirmou: “Tem um áudio em que o procurador [Januário Paludo] está aceitando dinheiro do [ex-diretor da Petrobras] Renato Duque”. A publicação não traz o teor desse áudio, de maio de 2019, mas uma investigação da Corregedoria-Geral do MPF afastou qualquer ilegalidade no conteúdo. Os valores citados referiam-se, na verdade, a quantias que Duque deveria devolver aos cofres da empresa, no contexto das negociações para a celebração de um acordo de colaboração.

“Enquanto o senhor Delgatti afirma, categoricamente, e sem a mínima comprovação, a adoção de procedimentos ilegais por procurador da Lava Jato, os informes prestados demonstram o equívoco dessa afirmação, trazendo, a lume, a lisura da postura dos agentes ministeriais nas investigações e procedimentos encetados e nas tratativas com o advogado do senhor Renato Duque”, concluiu o órgão corregedor do MPF.

A defesa de Delgatti admitiu que ele havia se equivocado ao identificar uma prática ilícita no conteúdo da gravação. Na tentativa de negar a intenção de caluniar o procurador, as alegações pela absolvição do hacker tratam do áudio como “um documento fora de contexto, mal compreendido que ensejou a percepção falsa do réu”. A 1ª Vara Federal de Araraquara, no entanto, destacou que Delgatti assumiu o risco de atingir a honra de Paludo ao acusá-lo sem a cautela de confirmar os fatos.

A pena estabelecida considera duas agravantes: o crime praticado contra servidor público em razão de suas funções e a reincidência, devido a uma condenação penal anterior num processo que tramitou na Justiça do estado de São Paulo. Os maus antecedentes de Delgatti e as circunstâncias do crime de calúnia também impediram a substituição da prisão por penas alternativas.

*Com informações do MPF

Leia mais: Justiça Federal condena Delgatti a 20 anos de prisão por invadir Operação Lava Jato

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -