27.3 C
Manaus
domingo, junho 23, 2024

Silvinei Vasques, ex-diretor da PRF se exime de culpa durante eleição entre Lula e Bolsonaro

Após tantas perguntas, ele ressaltou que não tinha o dever de falar com jornalista e acabou ocorrendo confusão; Veja vídeo

Por

O ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, prestou depoimento, nesta terça-feira (20), a partir das 9h, para prestar o primeiro depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro.

De acordo com Silvinei “Os prefeitos guardaram as máquinas, e o ministro Alexandre de Moraes foi muito importante nas suas decisões”. Ele enfatizou também o seguinte: “900 multas, mais de 10000 multas aplicadas, 150 locais foram interditados, nessas 24h, colocamos policiais nas estradas”.

O ex-diretor da PRF, Silvinei Vasques, está sob acusação de que as operações tenham sido feitas de maneira deliberada com o objetivo de atrapalhar a movimentação de eleitores nos locais em que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava à frente nas pesquisas eleitorais contra o então presidente Jair Bolsonaro (PL).

Após tantas perguntas, ele ressaltou que não tinha o dever de falar com jornalista como também fornecer informações sobre situações a qual ele estava sendo acusado. Após isso, ocorreu confusão, conforme o vídeo abaixo.

Em 2022

Diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques investigado por bloqueios ilegais em rodovias é exonerado por Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PL) exonerou o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, que em novembro virou réu por improbidade administrativa, acusado de pedir votos irregularmente para Bolsonaro durante a disputa presidencial. A exoneração foi publicada na edição desta terça-feira, 20/12, no Diário Oficial da União (DOU) e assinada pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Silvinei também é investigado por causa das barreiras que a PRF montou em rodovias no segundo turno para abordar ônibus com eleitores, descumprindo ordens do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e pela suspeita de omissão diante dos bloqueios ilegais feitos por bolsonaristas radicais que não aceitaram o resultado da votação.

O Ministério Público Federal (MPF), que pedia o afastamento de Silvinei, argumenta que ele usou o cargo indevidamente e aponta situações durante a campanha eleitoral em que, no entendimento dos procuradores, o diretor pediu votos irregularmente para o presidente.

Leia mais: Governo sanciona PLC, mas artigos que cortariam recursos do Senac e do Sesc são vetados

Por Tatiana Nascimento

Revisora Vanessa Souza

Ilustração Marcus Reis

 

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -