30.3 C
Manaus
quarta-feira, junho 12, 2024

Eneva irá investir R$ 5,8 bilhões no AM com a construção de duas termelétricas

As construções das usinas termelétricas (UTE) Azulão I e II, são relativas aos dois últimos leilões de reserva de capacidade de energia, realizados em dezembro de 2021 e no fim de setembro deste ano

Por

A empresa produtora de gás e geradora de energia Eneva vai investir R$ 5,8 bilhões no Estado do Amazonas nos próximos quatro anos. A afirmação foi feita pelo futuro presidente da Eneva, Lino Cançado. O montante tem como foco principal a construção das usinas termelétricas (UTE) Azulão I e II, relativas aos dois últimos leilões de reserva de capacidade de energia, realizados em dezembro de 2021 e no fim de setembro deste ano.

Atual diretor de operações da Eneva, Cançado foi confirmado na semana passada pelo Conselho de Administração para liderar a companhia a partir de 2023. Em suas primeiras agendas institucionais, ele viajou ao Norte do País para reuniões com os governadores de Roraima, Antonio Denarium (PSL), e do Amazonas, Wilson Lima (União Brasil).

A operação da Eneva na região se concentra nos dois estados: a produção do gás acontece no campo de Azulão (AM), onde a Eneva tem planos de construir duas UTES, e parte do insumo na forma liquefeita já alimenta a usina Jaguatirica II, independente do sistema nacional, em Roraima.

“Reforçamos não só nosso compromisso de longo prazo com o Estado do Amazonas, manifestados pelos mais de R$ 5,8 bilhões a serem investidos nos próximos quatro anos, mas também nossos planos de, em parceria com o Governo, gerar um legado positivo que vai além da nossa operação, por meio de nossos projetos sociais e iniciativas de qualificação de mão-de-obra local”, disse Cançado em nota

Na Eneva há oito anos, dos quais cinco à frente das operações, Cançado sucede Pedro Zinner, que acompanha a transição até o fim do ano. Para justificar a saída, Zinner alegou “novos planos profissionais”.

Em discurso na apresentação dos resultados do 3º trimestre a investidores, disse que a empresa deve continuar tirando “coelhos da cartola”, sugerindo que a expansão da companhia vai seguir, mesmo após a vitória em leilões no Norte e a aquisição de termelétricas de peso no Nordeste (Celse e Termofortaleza). A Broadcast apurou tratar-se de uma resposta a boatos de que o executivo deixava a empresa devido à falta de perspectiva de novos negócios no curto prazo.

——

Da Redação com informações da assessoria

 

 

 

 

 

 

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -