25.3 C
Manaus
terça-feira, maio 28, 2024

Roraima: TSE cassa mandato do deputado Neto Loureiro por fraude à cota de gênero

Faltando três meses para o encerramento da atual legislatura quem assumirá a cadeira é Masamu Eda (PSD)

Por

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) declarou nulos os votos recebidos pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB), em Roraima, para o cargo de deputado estadual nas Eleições 2018, em razão de fraude à cota de gênero, e cassou o diploma do candidato eleito na ocasião, com 7.053 votos, José Hamilton Gomes Loureiro Neto (PMB), conhecido como Neto Loureiro. O Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (DRAP) da legenda também foi cassado.

A Corte Eleitoral determinou, ainda, o recálculo dos quocientes eleitoral e partidário para efeito de redistribuição das vagas na Assembleia Legislativa Estadual.

Na vaga do parlamentar, tomará posse Masamu Eda (PSD), que obteve 3.884 votos. O TRE-RR encaminhará ofício à Assembleia Legislativa Estadual (Ale-RR) para dar cumprimento à decisão.

No acórdão, o Plenário entendeu que a candidatura de Renata Fabiana Dama Beite de Souza ao cargo de deputada estadual teria sido fictícia em 2018, com o objetivo de burlar a norma que exige o mínimo de candidaturas femininas para cada cargo nas eleições proporcionais em Roraima. O ministro Benedito Gonçalves relatou o processo.

O TSE, por unanimidade, deu provimento ao recurso ordinário movido pelo Ministério Público Eleitoral e julgou procedentes os pedidos formulados na Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) nº 0601908-68.2018, em razão de fraude à cota de gênero, com fundamento no art. 10, § 3º, da Lei 9.504/97 – Lei das Eleições.

Sobre o caso – No voto, o ministro Benedito Gonçalves relata a prática de fraude à quota de gênero no registro de candidatura de Renata Fabiana Dama Beite de Souza ao cargo de deputado estadual de Roraima, pelo PMB, nas Eleições 2018. 

“A candidata Renata Dama não obteve nenhum voto e confirmou, em juízo, que em nenhum momento teve a pretensão de ser candidata nas eleições de 2018 e que somente aceitou a proposta dos dirigentes do partido para completar a legenda e ajudar a também candidata Kelly Santos, que também concorreu ao cargo de Deputado Estadual pelo PMB”.

O relator cita ainda que “mensagens e áudios extraídos do aplicativo WhatsApp demonstram que Renata Dama não praticou atos de campanha, pois nem sequer sabia seu número de urna”.

Em seu depoimento, Renata Dama afirmou que “compareceu à convenção partidária apenas para acompanhar Kelly (candidata que ela apoiava) e não teve movimentação financeira de campanha”.

 

Da Redação

Foto: Ale-RR

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -