26.3 C
Manaus
quarta-feira, abril 24, 2024

PL de Roberto Cidade solicita que ‘Festival Folclórico Marquesiano’ se torne Patrimônio Cultural do Amazonas

Festival vem sendo realizado desde 1972 e tem dado muitas contribuições à cultura manauara e amazonense, por isso o parlamentar quer torná-lo Patrimônio Imaterial do Estado

Por

Um dos festivais folclóricos mais tradicionais de Manaus, o “Festival Folclórico Marquesiano” deve ser declarado como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Estado do Amazonas. A propositura é do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado estadual Roberto Cidade (União Brasil). A solicitação foi feita por meio do Projeto de Lei (PL) nº 378/2022.

Realizado, anualmente, no bairro de São Raimundo, zona Oeste da capital, por alunos e ex-alunos da Escola Estadual Marquês de Santa Cruz, o Festival Folclórico Marquesiano foi criado em 1972 e realizado desde então, somente tendo sendo interrompido nos últimos anos em razão da pandemia de Covid-19.

“O Festival Folclórico Marquesiano é um dos mais tradicionais que temos na capital, é um espaço democrático que ajuda a manter vivas as diversas manifestações folclóricas do nosso País, além de ser uma importante ferramenta pedagógica para os alunos. Declarado como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial, esse importante festival se perpetuará e assegurará  que a nossa cultura permaneça viva, por meio das manifestações folclóricas que o Festival Marquesiano agrega”, defendeu.

Patrimônio material, histórico e cultural é definido como o conjunto de bens culturais, móveis ou imóveis, cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história, quer por seu excepcional valor arqueológico, etnográfico, bibliográfico ou artístico. A partir do reconhecimento por meio de Lei, o patrimônio passa a ser protegido e perpetuado, não podendo ser extinto ou destruído.

História do Festival – De acordo com o histórico do Festival Folclórico Marquesiano, foi criado em 1972 pela então diretora da Escola Estadual Marquês de Santa Cruz, irmã Armandina, que percebeu que ocorria no entorno da escola um grande envolvimento da comunidade de São Raimundo para realização da atividade.

Então, ela resolveu aliar o folclore às atividades curriculares da escola. Hoje, parte da organização do Festival Folclórico Marquesiano é feita por moradores da comunidade, alunos e ex-alunos da Escola Estadual Marquês de Santa Cruz.

 

Da Redação

Foto: Joel Arthus

Fique ligado em nossas redes

spot_img

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -