29.3 C
Manaus
quinta-feira, junho 20, 2024

Notícia-crime contra Queiroga por ‘apagão’ na Saúde é apresentada no STF por deputados petistas

Quatro deputados federais apresentaram no Supremo Tribunal Federal (STF) notícia-crime contra o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Os petistas afirmam que o apagão de dados pode ser proposital, como forma de sabotar, de maneira racionalmente incompreensível, os esforços científicos de enfrentamento da doença

Por

Os deputados do PT Reginaldo Lopes (MG), Bohn Gass (RS), Gleisi Hoffmann (PR) e Alexandre Padilha (SP) enviaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) notícia-crime contra o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pelo “apagão” de dados na pasta.

Há um mês, o Ministério da Saúde atribuiu a um ataque hacker um apagão de dados no sistema de registros relativos à pandemia. Ontem, o governo afirmou que a situação havia sido restabelecida, embora alguns sistemas ainda estejam fora do ar.

“O presidente da República e o seu ministro da Saúde, ora noticiado, continuaram a sabotar, de maneira racionalmente incompreensível, os esforços científicos de enfrentamento da doença, como se viu recentemente em relação às diversas tentativas, exitosas, de retardar a vacinação das crianças”, diz trecho do documento enviado ontem.

Os petistas afirmam que o apagão de dados pode ser proposital. “O apagão vigente nos sistemas informatizados do Ministério da Saúde podem ser, em tese, uma ação política, ideológica e negacionista deliberada, visando esconder a real situação sanitária existente no País.”

Os deputados alegam ao presidente do STF, ministro Luiz Fux, que Queiroga pode ter cometido os crimes de prevaricação, infração de medida sanitária preventiva e improbidade administrativa. Com isso, pedem que a Corte intime a PGR (Procuradoria-Geral da República) a instaurar inquérito.

Alerta da OMS – O apagão de dados sobre a expansão de infecções pela variante ômicron, no Brasil, deixa técnicos e cientistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) alarmados. Membros do corpo de especialistas agência com sede em Genebra temem que, sem um controle e mapeamento da dimensão das contaminações pela variante, o Brasil possa entrar em uma nova fase de turbulência em relação à crise sanitária, com um impacto ainda nos países vizinhos.

De acordo com a OMS, na semana que foi concluída em 2 de janeiro de 2022, o mundo registrou uma taxa recorde de 9,5 milhões de casos de covid-19. Inédito, o número deve ser superado pelos registros já obtidos na semana que terminou neste fim de semana.

O problema, porém, é que o caso brasileiro acendeu um sinal de alerta na OMS e passou a ser usado internamente por alguns dos técnicos como “exemplo” de país onde o apagão está impedindo que o mundo tenha, de fato, uma percepção real da nova onda da covid-19.

“Há uma sensação de que o Brasil está voando no escuro”, alertou um dos cientistas na OMS, que pediu anonimato. Após a publicação da reportagem, o escritório da OPAS e da OMS no Brasil emitiu um comunicado, apontando que as declarações dos especialistas tinham caráter pessoal. “A afirmação não deve ser tratada como posicionamento institucional”, disse a OMS, em nota.

 

—–

Por Redação com informações do UOL

Foto:

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -