25.3 C
Manaus
sábado, maio 25, 2024

CPI Energia: Cigás diz que economia em setor termelétrico não reflete em fatura de energia

A afirmação foi dada pelo diretor-presidente da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), René Levy Aguiar, em depoimento dado a comissão, na terça-feira 30/11. Nesta quarta-feira, 1º/12, os deputados receberam Produtores Independentes de Energia (PIE's) que atuam no Amazonas

Por

As oitivas na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Amazonas Energia retornaram esta semana. Entre os depoentes, os deputados integrantes da comissão ouviram o diretor-presidente da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), René Levy Aguiar, na terça-feira 30/11 e nesta quarta-feira, 1º/12, receberam Produtores Independentes de Energia (PIE’s) que atuam no Amazonas.

O representante da Cigás foi convocado a CPI para esclarecer, entre outros fatos, quantos e quais são os contratos da companhia celebrados com a Amazonas Geração e Transmissão de Energia S/A (Amazonas GT, empresa do sistema Eletrobras) e a Amazonas Energia, bem como a relação da Cigás com o setor termelétrico e a economia feita pela utilização do gás natural na geração de energia, no Amazonas.  Já os produtores independentes foram chamados para falar sobre a atuação no interior do Estado e esclarecer a motivação dos constantes apagões em alguns municípios.

Em relação à atuação da Cigás e a economia que o setor termelétrico atingiu ao substituir o óleo diesel pelo gás natural no Estado, o diretor presidente da Companhia explicou por que a economia não refletiu nas faturas de energia dos consumidores.

“O setor eletroenergético economizou em média R$400 milhões com a troca entre os combustíveis, mas, nós temos um custo Brasil, quando entramos no sistema nacional. Então, esse valor não foi repassado para os contribuintes, visto que essa eventual economia é distribuída em todo país com os demais empreendimentos”, explicou René Levy Aguiar.

“A entrada no Sistema Integrado de Energia Elétrica muda os encargos, como por exemplo, a Conta de Compensação de Combustíveis Fósseis (CCC). O Amazonas pagava uma tarifa baixa porque os consumidores de todas as unidades do Brasil pagavam essa taxa, que compensava o valor da produção no Amazonas, quando estava no Sistema Isolado. Mas para sabermos exatamente onde a economia da produção com o gás natural ficou completamente diluída, teríamos que consultar a Aneel ou as empresas de geração de energia para sabermos o quanto é o peso do combustível no preço da fatura final”, complementou o diretor-presidente da Cigás.

O presidente da CPI, deputado Sinésio Campos (PT), questionou René sobre a produção total de gás natural no Amazonas, do valor e de quanto foi repassado nos últimos três anos para o setor termelétrico, período de privatização da concessionária.

O diretor-presidente apresentou dados da produção no Estado segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). “Aqui no Estado temos dois produtores atualmente: a Petrobras, em Urucu, e a Eneva, em Silves. A produção bruta total no Estado, segundo a ANP, em 2019 foi de 15,2 milhões de metros cúbicos; em 2020 foi de 13,5 milhões de metros cúbicos; e em 2021 foram mais de 13,4 milhões de metros cúbicos”, afirmou.

— —

Da Redação com informações da assessoria de imprensa

Foto: Divulgação

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -