26.3 C
Manaus
terça-feira, junho 18, 2024

Senadores pedem que Bolsonaro se manifeste sobre suspeitas de corrupção e ele responde de forma chula

O presidente afirmou que não vai responder aos pedidos da CPI da Covid para que confirme ou negue as afirmações do deputado Luis Miranda (DEM-DF) sobre a vacina da Covaxin. Em sua live semanal, Bolsonaro disse que não irá cooperar com a comissão e acusou o relator Renan Calheiros de estar alinhado com Lula.

Por

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) respondeu de forma chula à cobrança feita pela cúpula da CPI da Covid que, em carta, pediu para desse explicações sobre as acusações feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão, o servidor público Luís Ricardo Miranda sobre suspeitas de corrupção no contrato de compra da vacina indiana Covaxin e o possível envolvimento do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR) no contrato suspeito.

Em resposta a carta assinada pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues (Rede/AP) e Renan Calheiros (MDB-AL), Bolsonaro disse: “Sabe qual a minha resposta? Caguei, caguei para a CPI. Não vou responder nada”.

“Hoje foram Renan, Omar e o saltitante [se referindo a Rondolfe] fazer festa lá embaixo na presidência entregando um documento para eu responder”, disse Bolsonaro, ciente da carta. “Não vou responder nada para esse tipo de gente em hipótese alguma. Não estão preocupados com a verdade, mas em desgastar o governo”, justificou, acrescentando que Calheiros seria “aliadíssimo de Lula” e, por isso, “quer a volta dele a qualquer preço”.

Se furtando de responder qualquer questionamento sobre as denúncias envolvendo as negociações da Covaxin, Bolsonaro continuou o discurso criticando os trabalhos e questionando os resultados e motivações dos senadores. “O que a CPI produziu de bem para o Brasil? O que produziu para reduzir o número de mortes?”, questionou, sustentando que o interesse é apenas desgastar o governo.

A CPI nas últimas semanas tem encontrado indícios de corrupção envolvendo a alta cúpula do Ministério da Saúde, bem como lobistas e donos de empresas que negociaram vacinas com a pasta. O relato que recai diretamente sobre Bolsonaro é a denúncia feita por Miranda, em 25 de junho, quando revelou ser Ricardo Barros (PP-PR) o responsável por conduzir o “rolo” da vacina, denúncia que Barros nega.

Segundo Miranda, o chefe do Executivo sabia do envolvimento do líder do governo e prometeu acionar a Polícia Federal, o que só foi feito três meses depois, com a revelação feita durante a CPI. “Somente Vossa Excelência pode retirar o peso terrível desta suspeição tão grave dos ombros deste experimentado político, o deputado Ricardo Barros, o qual serve seu governo em uma função proeminente”, diz o documento.

Bolsonaro afirmou, no entanto, que não tem “paciência para ficar ouvindo patifes acusando o governo” e questionou: “Como desmonta essa CPI de picaretas?”. Além de desqualificar os senadores e as investigações, o presidente chegou a atribuir à repercussão da CPI o aumento de preço da gasolina. “De vez em quando tem reverberação [a CPI], mexe na bolsa, faz aumentar o preço do petróleo e do combustível, por tabela”.

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -