27.3 C
Manaus
sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Arthur Neto elabora plano de governo para apresentar ao PSDB durante às prévias do partido

O pré-candidato às prévias presidenciais e presidente do PSDB-AM, Arthur Virgílio Neto elabora um plano de governo para ser apresentado durante a campanha para escolha interna do partido ao nome que irá disputar o cargo de presidência da República em 2022.

Por

Com foco na economia, no equilíbrio das contas públicas, em uma nova relação institucional do Brasil com os demais países, no meio ambiente e nas políticas públicas de crescimento social e acesso universal à saúde e educação, o pré-candidato às prévias presidenciais e presidente do PSDB-AM, o ex-prefeito de Manaus e ex-senador, Arthur Virgílio Neto elabora um plano de governo para ser apresentado durante a campanha para escolha interna do partido ao nome que irá disputar o cargo de presidência da República em 2022.

O plano terá ainda um capítulo especial voltado às mulheres, não só com políticas públicas mais eficientes como também direcionado para autossuficiência e maior participação da mulher na política.

“Assinei, recentemente, a carta-compromisso proposta pelo PSDB-Mulher, que traz um elenco de ações para promover a paridade de gênero dentro do próprio partido. E isso já é um início significativo. Partir de dentro para fora”, diz Virgílio, ao destacar que está em sintonia com a avaliação de que há, atualmente, um desmonte das políticas públicas para as mulheres.

“É clara a ameaça à democracia, bem como as crises política, econômica, social e ambiental que o país enfrenta, todas agravadas pela pandemia da Covid-19, como alerta o diagnóstico elaborado pelo PSDB-Mulher e isso está tomando bastante da minha atenção, para encontrar propostas revigorantes, justas e que tenham como fim o empoderamento da mulher em todas as esferas da vida”, afirma.

Carta-compromisso – Arthur Neto também assinou uma carta-compromisso que inclui, entre outras ações, a ampliação da participação das mulheres na política e nos espaços de poder; a implementação da paridade de gênero na composição das Executivas; a promoção da autonomia para as mulheres gerenciarem os recursos legais referentes aos 30% do financiamento eleitoral destinados às candidaturas femininas nas eleições de 2022; o estímulo à paridade de gênero nos quadros internos conforme Agenda 50/50; e o estímulo à formação de mulheres em tecnologias digitais.

As mulheres representam, hoje, 52,3% do eleitorado brasileiro, mas apenas 33,6% das candidaturas para as Prefeituras e Câmaras Municipais, em 2020, foram de mulheres, o que significa que há sub-representatividade feminina. Apenas 15% do Congresso Nacional é formado por mulheres.

“A paridade de gênero não é uma meta inatingível. No México, o Congresso aprovou em maio de 2019, uma emenda à Constituição que garante a obrigatoriedade de que 50% dos cargos públicos sejam ocupados por mulheres nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, nos órgãos federais, estaduais e municipais, além de órgãos autônomos. O México já tinha paridade obrigatória no Congresso”, exemplifica Arthur Virgílio Neto. A paridade também já é realidade no Chile.

— —

Foto: Divulgação

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -