26.3 C
Manaus
terça-feira, julho 16, 2024

Secretário de Saúde do AM Marcellus Campêllo será ouvido pela CPI em 1º de junho

A informação foi confirmada pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz na abertura dos trabalhos desta terça-feira. Além de Marcellus, devem ser ouvidos, nos dias 2 e 3, o ex-secretário-executivo do MS, Antônio Élcio Filho e o secretário de Ciência e Tecnologia do MS, Hélio Angotti Neto

Por

O secretário de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM), Marcellus Campêllo será ouvido no dia 1º de junho, na CPI da Covid, no Senado. A informação foi confirmada pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM) na abertura dos trabalhos desta terça-feira, 18/5. O parlamentar também acatou a questão de ordem do vice-presidente, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e encaminhará à Polícia Federal (PF) ameaças recebidas, por membros da comissão investigadora, em comunicações pessoais.

O início da reunião contou com aprovações de requerimentos de informações e convocações, entre eles do ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde (MS), coronel Antônio Élcio Franco Filho e do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do MS, Hélio Angotti Neto para prestar depoimentos. Os dois têm sido apontados como os principais envolvidos nas negociações por vacinas para o país.

“Nós teremos dia 1º o secretário Estadual do Estado do Amazonas (Marcellus Campêllo) e dias 2 e 3 ainda vamos definir amanhã, ou na quinta”, esclareceu o presidente da CPI.

Galeria da CPI da Covid:

Ameaças – Sobre as ameaças sofridas em comunicações pessoais por alguns membros da CPI, o senador Randolfe solicitou questão de ordem para tratar do tema e ressaltar que o mesmo é crime, conforme expresso no Artigo 4º, da Lei 1.579/1952.

“É claramente uma ação coordenada. A lei estabelece que constitui crime impedir ou tentar impedir, mediante violência, ameaça ou assuadas, o regular funcionamento de Comissão Parlamentar de Inquérito, sob pena do Artigo 329 do Código Penal (reclusão de 1 a 3 anos)”.

Segundo o senador Omar Aziz, o material comprobatório das ameaças será encaminhado ainda nesta terça-feira para a Polícia Federal (PF). “Isso está virando uma rotina, mas o nosso papel é continuar trabalhando”.

Ação na Justiça – O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) também aproveitou fala para deixar registrado que o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) entrará na justiça com ação que obrigue o presidente da República, Jair Bolsonaro a respeitar regras sanitárias estabelecidas pelo Ministério da Saúde (MS) em ações públicas.

“Principalmente aquelas com recursos da união. Lembro que estamos, neste momento, vivendo novamente uma crise de vacinas e o afastamento social e uso de máscara são as únicas alternativas diante da falta de vacinas”, declarou ao pedir apoio à mesa diretora.

O presidente da CPI fez um apelo ao presidente para que colabore em relação às orientações sanitárias remendadas pelo MS. Destacou, ainda, a importância de que a comissão investigadora também culmine com a criação de leis sobre a prescrição de medicamentos, bem como sobre protocolos de saúde na pandemia.

“Esperamos que possamos ter um discurso unificado em relação à pandemia. Não podemos ter cada um pensando de uma forma e as diretrizes não serão nunca corretas para a população”.

— —

Com informações da assessoria de imprensa

Fotos: Diego Peres / SES e Ariel Costa

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -