25.3 C
Manaus
terça-feira, maio 28, 2024

Alckmin revela que nova âncora fiscal será anunciada “no momento certo”

Vice-presidente comenta que há um debate harmônico fluindo no governo de Lula, que em breve anunciará a nova ancoragem fiscal

Por

Geraldo Alckmin, vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, revelou que o governo federal fará o encaminhamento do projeto de ancoragem fiscal nos próximos dias ao Congresso Nacional, documento este, exigido pela Emenda Constitucional de Transição. Ele participou nessa segunda-feira (20) de um seminário que ocorreu na sede do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Alckmin discorreu que há um debate harmônico fluindo no governo inteiro a respeito do controle de crescimento da dívida e de investimentos que gerem crescimento, simulando que a ancoragem fiscal é pauta a ser debatida com calma e que “O presidente Lula ainda não deu a palavra final”.

“O governo inteiro tem discutido de maneira muito harmônica, dentro do princípio de ter uma ancoragem fiscal que controle o crescimento da dívida e, de outro lado, que permita investimento necessário ao crescimento. No momento certo, o presidente vai anunciar a nova ancoragem fiscal. ” Comentou Alckmin.

Em caso de excesso de arrecadação, a Emenda Constitucional da Transição, que liberou do teto de gastos R$ 145 bilhões do Bolsa Família e até R$ 23 bilhões em investimentos, delimitou a obrigação de o governo enviar um projeto de lei complementar que substitua o teto de gastos até agosto.

“[A proposta de ancoragem fiscal] vai, numa medida inteligente, combinando curva da dívida [de um lado], de outro lado superávit, de outro lado, controle do gasto. É uma medida inteligente que vai trazer bastante segurança na questão fiscal. ”

Alckmin e a reforma tributária

O vice-presidente pronunciou que é necessário reduzir a taxa básica de juros (Selic), já que isso também causa impactos fiscais no governo.

“O Brasil não tem uma inflação de demanda, pelo contrário, nós precisamos é estimular a economia. O mundo inteiro passa por um momento mais difícil. Hoje, grande parte dos países do mundo tem juros negativos. [A taxa estando a] 8% acima da inflação, isso acaba dificultando consumo, atrasa investimento e onera o fiscal. Nada pior para o fiscal do que isso, porque metade da dívida [do governo] é Selic. Então, acreditamos no bom senso e que vamos ter redução da taxa de juros”,

Alckmin evidenciou que o governo está tentando viabilizar a reforma tributária e que dentre as suas propostas, há a união de impostos aplicados ao consumo sobre o valor agregado “Ela simplifica, reduz custo Brasil, ajuda a indústria e ajuda a exportação”, pontuo.

Alckmin em Manaus 

Geraldo Alckmin confirmou presença na 308ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS), evento este, que está previsto para ser realizado nessa sexta-feira, 24/3, pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

 

Leia mais: 1ª Reunião do ano do CAS em Manaus terá presença de Alckmin

Da Redação com informações da Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Revisão textual: Érica Moraes

Fique ligado em nossas redes

Você também pode gostar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Últimos Artigos

- Publicidade -